o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

    • Hello world! 2018/06/25
      Welcome to WordPress. This is your first post. Edit or delete it, then start writing!
      pressuser
  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

Oh Nita, mas tu estás na WikiPedia!!!! Eu?!

Publicado por Julio Anjos em 2007, 5 de Dezembro


Andava eu à procura de informação sobre a peça mais recente em que a minha irmã participa e eis que dou com uma página sobre ela na Wikipedia… da qual ela não fazia a mínima ideia. Por acaso tudo verdade (segundo uma análise rápida feita por ela,  que nem eu que sou irmão dela tenho memória de todos os trabalhos que ela já fez (só as novelas)), mas enfim… não há mesmo maneira de evitar que se faça uma “imagem” de uma pessoa completamente à sua revelia…

Sobre Misc | Comente!... »

Como as opiniões mudam…

Publicado por Julio Anjos em 2007, 5 de Dezembro

“First we thought the PC was a calculator. Then we found out how to turn numbers into letters with ASCII — and we thought it was a typewriter. Then we discovered graphics, and we thought it was a television. With the World Wide Web, we’ve realized it’s a brochure.”

Atribuido a Douglas N Adams em MESCHINI, Federico , “Introduzione al Web 2.0, Library 2.0

Sobre Misc | Comente!... »

PISA 2006 (VISÃO PORTUGUESA)

Publicado por Julio Anjos em 2007, 5 de Dezembro

112233

Também de interesse:

Sobre Misc | Comente!... »

Musica para FAA

Publicado por Julio Anjos em 2007, 5 de Dezembro

Musica para escrever sobre o percurso histórico dos arquivos eclesiásticos….
Provavelmente o trabalho vai sair muito tétrico…

A minha memória mais antiga desta musica vem de 1974, num gira discos, pousado no chão de uma das quintas do Colégio Manuel Bernardes…

PS: Hoje na aula de FAA ainda me lembrei, em menos de um segundo, qual o numero do cânone que exige virilidade aos sacerdotes… mas também sendo o 1024 não é difícil a um informático….

O que me faz lembrar as palavras de alguém dos tempos em que tinha esperança que o próximo papa fôsse Carlo Maria Martini …. “Jesus anda-te a seguir Júlio e está a a sair-te ao caminho em todo o lado”

Dado o estado dos arquivos eclesiásticos, se tudo o resto me correr mal na vida posso sempre ir para monge arquivista do Patriarcado… o que seria engraçado pois fui muito influenciado na juventude pelo Cantico de S Leibowitz… será que me deixam explorar a Hipótese Nazarenos/Ebionitas como fonte do Evangelho de S. Tomé? Será que há um Sinaiticus escondido à espera de mim?

Sobre Misc | Comente!... »

Biblioteca 2.0: Library 2.0 in Portugal

Publicado por Julio Anjos em 2007, 3 de Dezembro

-Memo of a presentation at the 2007 edition of the Internet Librarian International conference held in London (UK), October 8th and 9th, at the Copthorne Tara Hotel, by Júlio Anjos, Member of the Executive Board of INCITE: Portuguese Association for Information Management (est. 1985).

Question: Is “Biblioteca 2.0” different from “Library 2.0”?

I believe we can all assume that the “Library 2.0” phenomenon is not only trans-national, but also that Library 2.0 exists, and is needed (although it not always emerges where and whenever there is a need) to serve Patron 2.0, which I define as  “He/She who is better served by the library with Web 2.0 tools”

Possible conclusion: Library 2.0 is unavoidable wherever Web 2.0 is a common user experience and worldvision.

Question: Is there a Library 2.0  phenomenon in Portugal, lets call it "Biblioteca 2.0"?

Being Portugal a developed country, with a very good standing among other developed countries in terms of access and use of Internet by broadband channels, what is the impact of the Web 2.0 phenomenon among Portuguese Information Professionals (a.k.a. Librarians) and Information Services (a.k.a. Libraries)? Did it generate the emergence of web 2.0 artifacts among Library and Information professionals and practices?

My own perception of the Portuguese Library 2.0 evolution in Portugal is that the answer is YES. Let’s look at the evolution of web 2.0:

  • 2004
    • No blogs by librarians
    • One blog by an archivist
    • One blog by an undergraduate LIS student
    • Some “fora/BBS” experiments
    • Some portuguese librarians cooperate and publish on Brazilian Blogs (Bibliotecários sem Fronteiras founded March 2002)
  • 2005
    • Some librarian authored blogs founded, some fully dedicated to LIS
    • Late 2005: Seminal articles by Tim O’Reilly, emergence of Web 2.0 and Library 2.0 as insistent background noises and “solutions in search of problems”
  • 2006
    • Blogging is considered a risky activity by most professionals. Some full LIS blogging experiments in full swing.
    • Late 2006: A librarian/scholar proposes to hold a round table of bloggers at the 2007 APBAD conference, and the proposal is accepted.
  • 2007 (The year all hell broke loose!!!)
    • April: APBAD
      6 bloggers stand in front of a more than 150 librarians and archivists of all generations answering questions and giving testimony of each one’s experience
      Imagem1
      Complete success!!!
    • May: CTDI’07 
      Imagem5
      An annual, 1 day, conference organized by a LIS degree is dedicated to Web 2.0, 3 presentations from abroad, through Spype + WebEx (2 from UK, 1 from Brazil), 6 presentations by portuguese students, researchers, scholars, bloggers, practitioners. The event is blogged about, skypecasted, podcasted, etc …. The works! The event was organized by the students under supervision of some teachers
    • September: EBLIDA-EUCLID’s Librarian@2010 meeting in Lisbon
    • Imagem4 
      A Portuguese Librarian and a Spanish LIS Scholar call, on a joint presentation, for the rewording of the relevant EUROGUIDE LIS sections with web 2.0 nomenclature and tools. Incidentally it’s US ALA’s Keith Michael Fields who, among Rectors and Deans of several important European Universities, defends a faster integration of web 2.0 tools on the LIS curriculum and continuing education programs

Sidenote:

Is the urgency of adoption of the Library 2.0 attitude different between Europe and the US? I believe not: “Patron 2.0” is ubiquitous and depends on the penetration of internet in the society.

However, although the urgency is the same, the speed of adoption is not. Even in Portugal, the speed of adoption is very different between School Librarians and the remaining specialties: This seems to have been caused by the orientation of School Librarian’s training in Portugal, during 2007, which was focused on, and made use of, Web 2.0 tools. Result: from the 46 LIS Portuguese blogs (with activity in the month of October 2007) 16 are School Library Blogs (33%).

Current (October 2007) Portuguese Library 2.0 practices

Not all good… but then nobody’s perfect. We can definitively show examples of:

Librarian(s) 2.0

He/She who uses Web 2.0 tools to improve his/her ability to serve library patrons, IN WHATEVER environment

The most ancient, by a university librarian
ratodebiblioteca
The most recent, by a public librarian
entreestantes
The funniest (teen and young adult services librarian)
anarquista
The most specialized by a mobile library driver, also a  librarian
papalagui
   

Library(ies) 2.0

A Library which uses Web 2.0 tools to perform the library millennial mission of connecting content offers with content needs

A library using a blog because the official site looks like
ajudanovo
 
This:
ajudavelho
and isn’t updated since 2002
University Library
IPP
Public Library
Oeiras
Espinho
The unauthorized public library website
 

LIS Degrees 2.0

Use of Web 2.0 tools to train the next generation of information professionals TOGETHER WITH competence development with Web 2.0 tools for latter practical implementation in the workplace (a library or a corporate information service).

AInformacao 

A blog created in 2005, by the LIS degree at Oporto University, still the only current news source in LIS in Portugal

nectdi
The LIS student body of Oporto Polytechnic as a ning community
bibliorandumAn aggregator of all LIS portuguese blogs produced by a student at the Oporto Polytechnic now part of INCITE web services

Arquivistasarquivieros 

Collective blogs by Archival Science students (masters level)

Library Continuing Education 2.0

Developing competencies in Web 2.0 tools to the current workforce, at all levels possible.

rbe
Scholl Libraries Network

Librarianship 2.0

Use of Web 2.0 tools to advance LIS as an object of research or as a tool for research

roda
Digital Libraries and Archiving of digital artifacts


sphere
Open Access news


pld
A library directory as a wiki

So…. is something missing?

Although it is possible to point at least one Portuguese example of almost every “Best Practice” imaginable… usually there is ONLY ONE example. In some aspects Portugal is behind every other Latin Country

Why? What’s missing?

  • Professional Association Guidance
    • APBAD (ALA equivalent):
      A single one-week after-hours training in Lisbon in 2005. After the April 2007 congress no further action or position
    • APDIS (MLA equivalent)
      No action or position known from the APDIS
    • INCITE (SLA equivalent)
      Full support, but the smaller association
  • Updated Continued Training
    • Most practitioners think Library 2.0, and sometimes even Web 2.0, is just Blogs. Lots of confusion on the CTDI’07 meeting when wikis and podcasts declared web 2.0 tools.
    • INCITE will organize a localized version of 23things during the 2nd quarter 2008, open to practitioners, LIS students, LIS teachers, etc (affiliation with INCITE not a requirement)
  • LIS curricula
    • At the undergraduate level the students are forcing the matter:
      • Oporto Polytechnic Institute
      • Oporto University
      • Not so on the other undergraduate LIS degrees. But they have 1.0 curricula
      • At Master’s level, strangely, it’s the archivists who are more active with 2.0 tools

Conclusion and going forth

Recognising that the need for Library 2.0, due to the ubiquity of Patron 2.0, in itself a consequence of the ubiquity of Web 2.0, INCITE will

Sobre Misc | 1 Comentário »

Formação Avançada em [História de] Arquivos

Publicado por Julio Anjos em 2007, 27 de Novembro

Vamos a ver então se me entendo a mim próprio:

O quadro 3 – "Arquivos da administração local" da tese de doutoramento da Drª Fernanda Ribeiro apresenta 289  linhas onde consta que o tipo de instrumento de acesso é "inventário de arquivos(regional)" de designação original "recenseamento", de ordenação alfabética. Aponta mesmo que as fontes de informação para estas linhas são as referências bibliográficas 426 a 429 a que correspondem:

  • 426 – Recenseamento dos arquivos locais : Câmaras Municipais e Misericórdias. Vol. 1 – Distrito de Lisboa. Coord. José Mariz. [Lisboa] : Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, 1995. ISBN 972-9107-23-4.
  • 427 – Recenseamento dos arquivos locais : Câmaras Municipais e Misericórdias. Vol. 2 – Distrito do Porto. Coord. Maria João Pires de Lima. [Lisboa] : Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, 1996. ISBN 972-8107-24-2.
  • 428 – Recenseamento dos arquivos locais : Câmaras Municipais e Misericórdias. Vol. 3 – Distrito de Viana do Castelo. Coord. Maria Olinda Alves Pereira. [Lisboa] : Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, 1996. ISBN 972-8107-25-0.
  • 429 – Recenseamento dos arquivos locais : Câmaras Municipais e Misericórdias. Vol. 4 – Distrito de Portalegre. Coord. Ladislau Pereira de Figueiredo e Silva. [Lisboa] : Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, 1996. ISBN 972-8107-21-8.

Estas 289 linhas referem-se a fundos de arquivo de órgãos de administração local existentes em vários arquivos, a saber: 12 arquivos distritais diferentes, 9 bibliotecas municipais, 35 câmaras municipais, 2 juntas de freguesia, 2 museus e 7 misericórdias.

Depois de 1996, e patentemente ausentes da bibliografia da tese de Fernanda Ribeiro, foram editados os seguintes volumes  dos  "Recenseamento dos Arquivos Locais":

  • Vol. 5 – Distrito de Vila Real. AN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1997, pp. 165   
  • Vol. 6 – Distrito de Faro. AN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1997, pp. 214   
  • Vol. 7 – Distrito de Coimbra IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1997, pp. 494   
  • Vol. 8 – Distrito de Leiria IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1997, pp. 201   
  • Vol. 9 – Distrito de Aveiro IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1997, pp. 379   
  • Vol. 10 – Distrito de Castelo Branco. IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1998, pp. 230   
  • Vol. 11 – Distrito de Setúbal. IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2000, pp. 146   
  • Vol. 12 – Distrito de Évora. IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2000, pp. 303   
  • Vol. 13 – Distrito da Guarda. Ministério da Cultura, IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 1999, pp. 283   
  • Vol. 14 – Distrito de Viseu. Ministério da Cultura, IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2000, pp. 351    
  • Vol. 15 – Distrito de Bragança. Ministério da Cultura, IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2006, pp. 145    
  • Vol. 16 – Distrito de Santarém. Ministério da Cultura, IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2004, pp. 204
  • Vol. 18 – Distrito de Braga. Ministério da Cultura, IAN/TT, Inventário do Património Cultural Móvel, Lisboa, 2007, pp. 476    

Falta efectivamente editar o volume 17.

Depois disto constatado acende-se aqui uma luzinha na minha cabeça: há informação primária publicada a que os quadros da Drª Fernanda Ribeiro não podem fazer menção. Porra, há mais de 3300 páginas de dados novos, certificados por investigadores do IANTT, e nalguns casos levantamentos documentais completamente originais!!! Só de municípios, suas câmaras e suas funções de arquivo faltam mais de 260 que aquelas 289 linhas são sobre municípios vivos, extintos e freguesias, não sobre os 304 municípios existentes hoje em dia!!!

Mais ainda: consultando o Arquivo Distrital da Guarda, na sua presença internet, reparo que invocam constantemente o volume 13 da colecção supra, como sendo um instrumento de acesso, "inventário parcial da documentação", de cada um dos arquivos municipais ali mencionados (acho mesmo que usaram o Vol 13 como fonte para cada uma das páginas específicas). Até indicam o número das páginas relevantes para cada arquivo municipal um a um.

Portanto, para além de cada instrumento de acesso que cada edilidade indique, existe pelo menos um inventário parcial para todos os arquivos destes distritos. Sendo 17 volumes editados e havendo 18 distritos e duas regiões autónomas, pode-se dizer que o grosso dos arquivos municipais e arquivos de municípios dispõem de INVENTÁRIO PARCIAL.

Pensava eu, depois desta luzinha ter acendido, que um trabalho que pedia "[para] Arquivos Municipais – Distritais […] Traçar o percurso histórico dos respectivos arquivos enumerados (Constituição, regulamentação, organigrama; Organização e funcionamento; Instrumentos de acesso à informação)" obrigaria a fazer a actualização e expansão da informação recolhida pela Drª Fernanda Ribeiro, fosse pelos volumes posteriores à sua tese, fosse por contactos directos a estabelecer via internet, aliás obrigatórios para recolher informação sobre a posição orgânica e sobre a orgânica interna (não parece haver orçamento para ir ao DRE recuperar todas as edições de mapas orgânicos de todas as câmaras municipais). Achei mesmo que tal era a taxa de esforço mais esperada do trabalho.

Parece que não… o que importava mesmo eram os números dos decreto-lei e os anos em que uma série de coisas aconteceu na arquivística em Portugal… Portanto a todos os professores que me tentaram convencer que a perspectiva historicista da arquivistica estava ultrapassada…. só posso dizer: SEUS MENTIROSOS!

PS: A actualização é possível a nível de instrumentos de acesso disponíveis em cada município. É também possível obter a posição da função arquivo dentro da estrutura orgânica de cada município pelo Diário da Republica. Isso sim era um trabalho digno de um disciplina intitulada de "Formação Avançada em Arquivos". Um distrito por aluno, ou 20 municípios por aluno (304 municípios para 15 alunos) e a coisa fazia-se, talvez mesmo em 15 dias (ou três semanas com contactos postais)!!! E ficava um trabalho de que nos orgulharíamos e que citaríamos com brio no portofólio… mas parece que o verdadeiro sentido da disciplina é "Formação Avançada em [História de] Arquivos"

seja qual for o nome com que aparece no currículo

PPS: 304 municípios a 5 alunos por grupo dá uma responsabilidade de recuperação de informação de 60 municípios por cada um… para 15 dias de prazo não acredito que alguém tivesse calmo, à-vontade  e com vontade de aprender todos os decretos-lei relevantes…

  • Lembremo-nos de que o enunciado reza: "Traçar o percurso histórico dos respectivos arquivos enumerados (Constituição, regulamentação, organigrama; Organização e funcionamento; Instrumentos de acesso à informação)";
  • Esqueçamo-nos das correcções já em curso que pediam o número de técnicos superiores e profissionais de arquivos, aceitação de estagiários, etc

PPPS: O volume 10 (Castelo Branco) vem expresso na bibliografia recomendada, portanto o instrumento é conhecido.

PPPPS: Sim, comprei os 17 volumes, já que ainda falta fazer o que se adivinha ser o mesmo trabalho, mas em vez dos arquivos municipais é sobre as misericórdias e instituições similares. Porque? Porque não posso garantir que em viagem tenho acesso à internet em todos os hotéis em que tenho de ficar a estudar até às quinhentas ou sequer que as minhas credenciais de estudante do IPP, aderente à E-U, são reconhecidas em todos os sítios a que tenho de ir dar formação.

PPPPPS: As conclusões inferíveis da tentativa de contactar 304 municípios por email… essas ainda hei-de publicar num artigo na revista da Associação Nacional de Municípios Portugueses… tenho de falar com os colegas da Informática na Administração Pública dos grupos de trabalho da APDSI

PPPPPPS: Os 17 volumes, depois da conclusão desta disciplina, neste ano ou no próximo, serão oferecidos à biblioteca da ESEIG. Pode ser que assim alguém se lembre de aproveitar e fazer um inventário de Arquivos Municipais verdadeiramente útil para os estudiosos da área e actualizável ao minuto em que a correcção de informação devidamente certificada é recebida… um wiki parece um instrumento de trabalho adequado. [aproveite Gabriel David que eu não me importo]

PPPPPPPS: O mau estado em que está a função de arquivo corrente e histórico nos municípios portugueses é patente estudando quaisquer três municípios ao acaso. É absolutamente certo que isso é incontornável como conclusão de qualquer estudo que abarque 20 municípios. Estudando 60 municípios…. fica-se deprimido… e muito deprimido… e com tendências suicidas… mas não sabendo o decreto-lei não se arranja lá trabalho para começar a corrigir a situação… é até capaz de ser por isso que o tenho de saber… será?

Sobre Misc | 1 Comentário »

Um pequeno desvio?

Publicado por Julio Anjos em 2007, 26 de Novembro

MBA

A época para inscrições na Washington State para estudantes estrangeiros para 2008/9 já acabou!!! Calhando aproveito o 2008/9 para fazer um MBA’zito… 

Sobre Misc | Comente!... »