o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

  • Translate

  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

TEDxLisboa

Publicado por Julio Anjos em 2010, 15 de Maio

Escrevo estas linhas no comboio das 20 para o Porto, depois de um Sábado muito bem passado a assistir ao evento TEDxLisboa, em boa hora organizado por Cristina Marques da Silva, da Eureekka, com a colaboração de muita gente e parceiros (equipa excepcional).

O grande herói do dia, o Sr. Joaquim Casado (fiquei com muita pena de, em tempo oportuno não me ter envolvido, no projecto que levou Victor Hugo Marques para a Ericeira), foi alvo de uma ‘flash mob’ quando foi aplaudido. Desde os minutos iniciais da sua intervenção que, por twitter, a assistência já lhe votava  uma ovação de pé. Foi aliás várias vezes aplaudido, e muito bem. A história deste homem e do seu percurso como autarca devia ser registada e difundida. Se já o fizeram e não dei conta disso por favor esclareçam-me. É o exemplo perfeito de que as coisas fazem-se fazendo!

Outra das grandes intervenções foi a de António Barreto, que entre outras coisas falou da PorData. Espero ansiosamente pelos cadernos de ensaios que começarão a ser editados em breve.

A Maria Conceição (Dhaka Project) foi uma revelação para mim.

A música e performance de NOISERV foi um espanto…. a fazer lembrar Mike Oldfield em Magnetic Fields (cuja técnica aliás usa). Ainda no campo das introduções musicais que abriram cada segmento, quero também destacar a de Natália Juskiewicz, que abriu o palco, logo de manhã: é uma menina que canta fado, mas em vez das cordas vocais, usa VIOLIONO…. sendo obviamente acompanhada à guitarra e à viola como fica bem a todo o fado.

A intervenção mais perturbadora para mim foi a de João Nogueira Santos, que acusou todos e cada um dos presente de ser responsável pelo estado miserável a que a política portuguesa chegou… precisamente por falta de participação dos cidadãos, como nós. Aliás, o sentido com que as palavras agora me soam na memória, nem foi o de “Falta de Participação” mas “Demissão” .

Estranhamente sinto que nenhum partido me quereria para militante…  acho mesmo que nenhum  aparelho  partidário quer aderentes com ideias fortes, independência financeira, gosto pelo debate e troca de ideias, etc… que queiram militar. Mas a verdade é que cada cidadão confia aos partidos políticos a produção e apresentação de lideres políticos à votação em eleições, que depois se tornam administradores do nosso país, e portanto, de todos nós. 

Não está certo reclamarmos e demitirmos nos de responsabilidades no estado político, económico e social presente… depois de termos recusado participar no processo. E não estou a falar só de eleições legislativas. Pelas contas de Nogueira Santos os lideres que foram postos à consideração foram seleccionados em eleições internas (as ‘directas’ intra-partidárias) onde apenas 0.6% da população portuguesa participou.

Não tenho intenção de me inscrever em qualquer partido. Ainda estou especificamente traumatizado pelo ainda recente artigo de Pacheco Pereira sobre a vida das Distritais e das Concelhias. Mas permaneço indisposto com esta minha posição… que tentarei colmatar continuando a dedicar-me ao associativismo.

Quem precisar de actividades colectivas para qualquer idade,  falem com o Rodrigo Viterbo sobre o fabrico artesanal de Didgeridoo’s!

Luís Rasquilha: Grande pedagogia…  e fazê-lo onde o fazes é 1000 vezes mais  valoroso do que se o fizesses em Lisboa ou no Porto!!!

PS: Também lá encontrei um POSIano, com um canal twitter muito activo e acutilante.

Imprimir esta notícia Imprimir esta notícia

Um comentário to “TEDxLisboa”

  1. João Nogueira Santos Disse:

    Caro Julio,
    Gostei muito do teu post. Sabes que a razão que me fez aderir a um partido e decidir lançar esta iniciativa, foi precisamente sentir-me “perturbado” pela constatação que de facto, eu e a minha geração, somos os principais responsáveis pelo declínio dos partidos, e portanto, de muito dos problemas que o nosso país atravessa. Mais, eu (que tenho 38 anos) e a geração 35 -50 a que pertenço, quando entramos no mercado de trabalho, encontramos um Portugal esplendido de oportunidades e bons empregos, de que ainda hoje beneficiámos. Quem está a pagar a nossa demissão de participação nos partidos e consequente queda de qualidade dos políticos e crise no país, são os jovens que entraram no mercado de trabalho na ultima década, e que não têm oportunidades de jeito. E isto é de uma tremenda injustiça. O associativismo é importante, mas a participação nos partidos é fundamental. E não fiques à espera de receber convites para aderir .Quem está nos partidos e no poder, não deseja uma imensa maioria de participantes, que lhes dêem mais trabalho, ou os substituem por outros. Temos de ser nós a agir e participar! Um abraço
    João N S

Comentar


XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Login with Facebook:
Página 1 de 11
 

Bad Behavior has blocked 476 access attempts in the last 7 days.