o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

  • Translate

  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

Entrevista Newsletter CI: CTDI, LCI e a formação BAD/LIS

Publicado por Julio Anjos em 2009, 10 de Fevereiro

Newsletter CI: Focando agora outro assunto, o Júlio frequentou o curso de Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação da ESEIG. Conhecendo as bases por que se rege a Licenciatura em Ciência da Informação da Universidade do Porto, considera que há diferenças substanciais entre os dois cursos? Regem-se estes por paradigmas diferentes ou sente que há uma grande aproximação entre ambos?

Júlio dos Anjos: Não frequentei a Licenciatura em Ciência da Informação da Universidade do Porto pelo que não me sinto qualificado para tecer considerações de comparação entre CTDI e LCI.

No entanto acredito que há um deficit na visão estratégica, a longo prazo, para as profissões normalmente associadas tanto à LCI como à CTDI e a todas as licenciaturas e pós-graduações que criam profissionais para bibliotecas, arquivos, centros de documentação e actividades conexas.

Pelo que me apercebo, ao investigar os currículos em prática na esmagadora maioria das licenciaturas, pós-graduações, e até nos programas de MLIS americanos, ainda persiste a tendência para produzir diplomados que teriam, há quinze anos, enfrentado com êxito as mais difíceis entrevistas para empregos de alto-nível; todavia, se estas competências já não são suficientes hoje em dia, muito menos o serão daqui a cinco ou dez anos!

Sinto que é mais importante que o currículo das licenciaturas e pós-graduações, e a própria imagem que os profissionais da área têm da profissão, se adeqúe a novas realidades e necessidades. Acima de tudo, continua a ser necessário um maior entrosamento com a informática. As normas que proporcionam “job security” no mundo da informação para os próximos cinco anos serão provavelmente “BPMN” e “XSLT”, associadas à “ISAD” e ao “uniMARC”. O profissional de informação que queira estar no activo daqui a dez ou vinte anos tem de dominar minimamente estas quatro competências hoje, sob pena de não conseguir acompanhar o que vem aí nos próximos 10 anos.

Há muito que uma licenciatura na área de BAD não é uma boa opção para quem a procurar por gostar de literatura. Muito pelo contrário, a necessidade de dominar vários dialectos de modelação de estruturas de dados, e de processos de negócio, em “UML” devia ser publicitada aos quatro ventos! Esta é uma atitude que quero ver na base dos currículos nas licenciaturas nacionais e europeias.

Os licenciados destes cursos não têm nada a temer se, entendendo que é impossível às universidades anteverem quais serão as job-descriptions a que concorrer daqui a dez anos, assumirem que o sucesso vai sempre depender da sua capacidade individual de aprendizagem permanente e autónoma.

A internet e a Web 2.0, com todas as revoluções tecnológicas e sociais, faz com que esta seja, porventura, a melhor época da história para estar nesta profissão com esse espírito.

Imprimir esta notícia Imprimir esta notícia

Comentar


XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Login with Facebook:
Página 1 de 11
 

Bad Behavior has blocked 526 access attempts in the last 7 days.