o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

  • Translate

  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

Platão, Sócrates, a escrita e a tradição oral…

Publicado por Julio Anjos em 2007, 9 de Julho

Vale sempre a pena verificar fontes…

Em conequência do pst anterior foi à  procura de uma versão em português de “Fedro”.

Encontrei uma versão em que a citação em inglês no outro post está em portugues ( aliás em pt_BR ):

Aqui, ó rei, está um conhecimento que melhorará a memória do povo egípcio e o fará mais sábio. Minha invenção é uma receita para a memória e um caminho para a sabedoria”.

A isso o rei ceticamente respondeu:

“Ó habilidoso Teuto, a um é dado criar artefatos, a outro julgar em que medida males e benefícios advêm deles para aqueles que os empregam. E assim acontece contigo: em virtude de teu apreço pela escrita, que é tua filha, não vês o seu verdadeiro efeito, que é o oposto daquele que dizes. Se os homens aprenderem a escrita, ela gerará o esquecimento em suas almas, pois eles deixarão de exercitar suas memórias, ficando na dependência do que está escrito. Assim, eles se lembrarão das coisas não por esforço próprio, vindo de dentro de si próprios, mas, sim, em função de apoios externos. O que você inventou não é uma receita para a memória, mas apenas um lembrete. Não é o verdadeiro caminho para a sabedoria que você oferece aos seus discípulos, mas apenas um simulacro, pois dizendo-lhes muitas coisas, sem ensiná-los, você fará com que pareçam saber muito, quando, em sua maior parte, nada sabem. E eles serão um fardo para seus companheiros, pois estarão cheios, não de sabedoria, mas da pretensão da sabedoria.”

É engraçado que Sócrates nunca escreveu um livro e portanto rege-se por este raciocinio, mas mais giro ainda é  o parágrafo que se segue e que Andrew Odlyzko nunca parece ter lido, pois esclarece completamente o dito anteriormete:

A seguir Sócrates comenta:

“Você sabe, Fedro, esta é a coisa estranha sobre a escrita, que ela se parece com a pintura. Os produtos do pintor ficam diante de nós como se estivessem vivos, mas se você os questiona, eles mantêm um silêncio majestático. O mesmo acontece com as palavras escritas: elas parecem falar com você como se fossem inteligentes, mas se você, desejando ser instruído, lhes pergunta alguma coisa sobre o que dizem, elas continuam a lhe dizer a mesma coisa, para sempre. Uma vez escrita, uma composição, seja lá qual for, se espalha por todo lugar, caindo nas mãos não só dos que a entendem, mas também daqueles que não deveriam lê-la. A composição escrita não sabe diferenciar entre as pessoas certas e as pessoas erradas. E quando alguém a trata mal, ou dela abusa injustamente, ela precisa sempre recorrer ao seu pai, pedindo-lhe que venha em sua ajuda, pois é incapaz de defender-se por si própria”.

É uma prosa sublime (cumprimentos a Platão e à inumerável corrente de copistas e tradutores que atrouxeram até nós), que me faz lembrar do julgamento da Britânica pela Nature, faz-em lembrar o maior bibliotecário de todos os tempos “Ook”, faz-me lembrar o L-Space…

A tradução segundo o rodapé deve ser atribuida a “PLATO. Phaedrus. Chicago: Bobbs-Merrill Company, Inc.. Tradução do grego por R. Hackforth e tradução do Inglês por Eduardo Chaves.”

Imprimir esta notícia Imprimir esta notícia

Comentar


XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Login with Facebook:
Página 1 de 11
 

Bad Behavior has blocked 336 access attempts in the last 7 days.