o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

  • Translate

  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

Sobre "Blogs e as estratégias de comunicação nas bibliotecas" no "::: rato de biblioteca :::"

Publicado por Julio Anjos em 2007, 30 de Junho

Em :: rato de biblioteca ::: Blogs e as estratégias de comunicação nas bibliotecas, o rato de biblioteca foca alguns aspectos discutidos ou ponderados no debate realizado na biblioteca do ISCA-UA.

A minha achega sobre os blogues institucionais: uma “página web”  ou um “sítio web” é uma montra; um blogue é uma conversa. Nalguns casos extremos o “sítio web” não é uma montra, é uma lápide. O blogue pode aqui ser usado como único canal possível entre os prestadores reais de um serviço e o público que têm por missão servir.

É uma acto de coragem avançar para uma conversa com os utilizadores e arriscar-se a que no diálogo sejam ditas coisas que não se querem ouvir. É também uma demonstração de querer melhorar e estar disposto a expôr o livro de reclamações na montra mundial que é a internet.

Não nos podemos esquecer que uma biblioteca municipal é um serviço de uma câmera municipal e uma biblioteca universitária é um serviço de uma universidade. Estas entidades não entendem muito bem como um serviço de comunicação pública pode passar à volta do controle dos respectivos gabinetes de comunicação e imagem. Muitas vezes, sendo um serviço mediado por computadores não entendem como podem passar à volta dos respectivos gabinetes de informática. No caso das bibliotecas municipais, as respectivas tutelas apenas estão preparadas para receber veredictos dos seus clientes de 4 em 4 anos. Ter de as ouvir todos os dias … pode não ser fácil.

É, sempre, precisa muita confiança (daquelas que uma certificação ISO 9000 dá)  no serviço prestado e no conhecimento das necessidaes dos utilizadores para criar condições para deixar todo o mundo ouvir e ver as reclamaçãoes que fazem de nós. No entanto, se bem me lembro do que a Drª Ana Terra me ensinou em NGQ, é possivel, e talvez desejável, encarar o blogue como uma ferramenta de proximidade e diálogo com o cliente, e devia ser encarada ao mesmo nível que os inquéritos de satisafação a nível de ISO 9000. Temos de deixar de os fazer apenas de 360 em 360 dias.

O blogue deve, sempre que possível, ser parte da estratégia de comunicação da unidade documental: aliás é precisamente pela identificação estreita entre o blogue e os restantes serviços online da biblioteca que se pode afirmar que “a biblioteca tem um blogue”.

Um blogue permite, à unidade documental promotora, afirmar todos os dias (por  RSS): “Estou AQUI”.

As novas gerações não são grandes leitoras de ‘tripticos’ de ‘handouts’, de ‘posters’ na vitrina. E por falar disso: ‘Tripticos’, “Handouts’, ‘posters’ não constrem comunidade… são um monólogo, muitas vezes tresandando de “soberba”

Imprimir esta notícia Imprimir esta notícia

Comentar


XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Login with Facebook:
Página 1 de 11
 

Bad Behavior has blocked 324 access attempts in the last 7 days.