o bibliotecário 2.0 (SP1)

Service Pack 1


  • Facebook

    O Bibliotecário 2.0 on Facebook
  • Outros Blogues


    oitenta e cinco. Get yours at bighugelabs.com/flickr
  • RSS O outro blogue

  • Translate

  • Comentários

  • Arquivos Temáticos

  • Arquivo Mensal

O próximo congresso BAD

Publicado por Julio Anjos em 2007, 4 de Abril

Olá Filipe

O primeiro congresso em que participei foi o de Braga (1992). Passados quinze anos e vários congressos da BAD, é-me possível identificar um conjunto de tendências, que se tem vindo a acentuar:

O meu primeiro também foi Braga…. com a empresa acabadinha de fundar… mas este é o primeiro a que assisto por dentro, ou melhor, fora do stand e dentro das salas.

1. A emergência de uma pseudo–cientificidade. Os congressos são aproveitados para cumprir o ritual de apresentação dos resultados das dissertações de mestrado e das teses de doutoramento que, na maior parte dos casos (e com honrosas excepções), não trazem nada de novo nem de interessante. Faço notar que os discursos estão cada vez mais distanciados das práticas. Obviamente que é mais fácil dizer do que fazer e, neste ponto concreto, a pseudo-cientificidade serve mais para afirmar pessoas do que instituições.

Tanta verdade nestas palavras. Orgulho-me de ser uma das pessoas que em Portugal se preocupa com determinados temas.  Para um desses temas fui cheio e esperança aos Açores onde haveria alguém que lança grandes sombras na nossa praça a debruçar-se sobre ele… desilusão completa. Matéria mal investigada, focando trabalhos terciários sobre o tema, pegando na discussão pelos pontos que não vale a pena discutir, propondo-se investigar o que já não precisa de investigação. Ainda tive esperança que o PDF estivesse melhor, mas não só tinha erros como lhe faltava a bibliografia (alguém perdeu uma página?)

2. A ausência de um debate participado e incisivo. A ausência do debate decorre, na minha leitura, de três factores fundamentais: a) o número excessivo de comunicações, que acabam por sobrecarregar o congresso com intervenções de qualidade e pertinência duvidosa; b) a falta de respeito de muitos colegas pelo tempo que lhes é concedido, tempo esse que devia ser utilizado para o debate; c) a falta de hábito de discutirmos publicamente os nossos pontos de vista, o que nos leva a não conseguir ter posições comuns enquanto classe profissional.

Não é ausência de debate devido ao excesso de “pseudo–cientificidade”? Será que uma prelecção do Dr. Armando Malheiro é inteligível, mesmo quando a audiência é de bibliotecários e arquivistas, sem um Houaiss à mão de semear? Se como afirmas muitas das apresentações são resultados de teses, não foram estas feitas no sentido de fechar um assunto… antevendo todas as contraditas que o júri possa apresentar depois de estudar aquilo com tempo… que esperança temos nós, pobres diabos chamados audiência, com três minutos para pensar depois de ouvir tudo aquilo de enfiada… ao fim dos quais se dá por encerrada a sessão? Pergunto-me se como a IFLA faz, a BAD teria coragem de divulgar as actas com dois meses de antecedência… indo as pessoas muitas vezes às sessões para perguntar coisas aos palestrantes (e perguntas preparadas e estudadas)…
a) Concordo a 100%
b) É estranho que isto aconteça pois a velocidade de leitura na língua portuguesa é conhecida (apesar de já não me lembrar qual o valor de palavras por minuto). Tive uma professora de formação que conseguia preparar discursos de X palavras sabendo de antemão que o diria em Y minutos e Z segundos mais ou menos 5 segundos.
c) Demasiado Magister Dixit na nossa história? Há aqui algo genético, um meme indestrutível, desde os tempos da Inquisição?

3. A falta de tomada de posições públicas por parte da classe. Os congressos da BAD só interessam aos profissionais da BAD. A ausência de uma cobertura por parte da comunicação social faz com que seja um congresso autista e autofágico. Os congressos são reuniões magnas e momentos únicos de tomada de posição por parte dos profissionais, mas, por exemplo, o que é que o cidadão comum ficou a saber sobre o impacto que o empréstimo pago vai ter na sua vida. Nenhuma.

O empréstimo pago foi discutido? Cadê o ministro que vai ter de assinar isso (ou um secretário de estado) que o decide que eu não o vi? Ou, como naquela imortal imagem de Heinlein, “somos cordeiros a passar resoluções proibindo os leões de serem carnívoros”?

 ”Reuniões Magnas”… deviam, não deviam… nunca me esqueço de estar uma sala de 600 pessoas cheia (durante a hora de almoço!!!) para discutir o problema das Caricaturas de Maomé e que posição a IFLA devia tomar sobre o assunto, se é que alguma… com filas de 8 pessoas para cada microfone quando a sessão teve de ser encerrada…

4. O esmorecer do entusiasmo dos profissionais. Perdeu-se, no caso das bibliotecas públicas, a chama dos primeiros tempos da Rede Nacional de Bibliotecas Públicas. Perdeu-se o capital de esperança que investimos na possibilidade de efectivamente nos constituirmos como uma rede cooperativa, em que o todo fosse maior do que a soma das partes. O que resta é um conjunto vasto e mais ou menos heterogéneo de bibliotecas públicas que nunca conseguiram afirmar-se junto das comunidades que servem e dos políticos que decidem o seu futuro. Restam também alguns casos de bibliotecas públicas de sucesso (justificável muitas das vezes por uma combinação única e instável de vontade política e de dinamismo profissional) que poderiam servir de motor para criar a rede cooperativa. Mas falta a visão estratégica dos profissionais e a vontade política dos decisores de topo.

Quanto ao esmorecer de entusiasmo sei que ele existe. Faço parte da direcção de outra associação do sector e sinto isso todos os dias. Mas não é de hoje. Lembro-me de em 1999, quase no dealbar da internet ter criado na Lusodoc uma Lista de Discussão, intitulada Hipatia, que chegou a ter 169 membros e onde apenas foram trocadas 8 mensagens entre 23 de Julho de 1999 e 25 de Fevereiro de 2000 (mas relendo os nomes dos subscritores encontro caras conhecidas), tendo sido o servidor reformado por cansaço de inutilização em 29 de Outubro de 2004. Ou o Fórum Linha Aberta que criei em anexo ao site da Incite onde ninguém se inscreveu, excepto dois colegas meus a pedido, só para ver se os algoritmos funcionavam… Alguém falou da candidatura malograda à IFLA 2009 que perdemos com a Itália? Quanto a “servir de motor para criar a rede cooperativa” tenho umas idéias interessantes que ando a trabalhar…

Penso que é fundamental repensarmos os congressos da BAD. Deixo aqui quatro sugestões para o próximo Congresso da BAD:

1. Um congresso com menos comunicações (= maior selectividade e menos pseudo-cientificidade);

2. Um congresso com mais painéis (= para agregar num mesmo espaço profissionais com os mesmos interesses e com vontade de tomar posições e desenvolver acções comuns);

Se o que aconteceu com o painel de blogues é amostra, é deveras um formato que resulta… será que é por as pessoas se reunirem para falar umas com as outras, ao invés de para se ouvir umas às outras?


3. Um congresso com mais tempo para debate (= maior equilíbrio entre o tempo para as apresentações e o tempo para os debates);

De alguma maneira a experiência que tenho dos EUA parece ser nesse sentido. Para uma sessão de uma hora, uma apresentação de 30 minutos, de uma única pessoa, que se sente tremendamente mal se a assistência não responde… sente-se mesmo responsável pelo fracasso da discussão… mas será que sete pessoas para uma sessão de 1:30 será apenas para distribuir as culpas?


4. Um congresso com maior intervenção pública (= fazendo chegar à opinião pública, através da comunicação social, a dimensão política do nosso trabalho).

SIM SIM SIM. A BAD não tem um secretário de imprensa? Alguma vez a BAD fez cursos de relações com a comunicação social? Ou é como os partidos que contrata uma empresa quando tem necesside de ser badalado?

Já agora, em jeito de nota final, gostava de referir que no repto que lancei aos meus colegas das Bibliotecas Municipais de Oeiras para participarem no Congresso da BAD foram três coisas: 1. Expressarem as suas opiniões pessoais de forma clara e fundamentada (mesmo que contrariassem as minhas opiniões sobre os mesmos assuntos); 2. Adoptassem um registo de reflexão crítica sobre o seu trabalho (e não somente a descrição do que fazemos); 3. Respeitassem escrupulosamente os 20 minutos que nos eram dados (por razões de eficácia de comunicação e por uma questão de respeito pelas regras).

Pelo que vi das comunicações, pelo que tenho seguido na blogosfera, o desafio teve os melhores resultados imagináveis, quase me faz perguntar se posso ir para aí fazer o estágio…

Saudações cordiais
Filipe Leal
Rede de Bibliotecas Municipais de Oeiras

Tenho que ir aí um dia destes.

Imprimir esta notícia Imprimir esta notícia

Um comentário to “O próximo congresso BAD”

  1. maria jose vitorino Disse:

    Empréstimo pago não foi quase referido, nem mesmo nas comunicações de colegas da leitura pública, que preferiram abordar experiências de sucesso e outras temáticas. Havia mais de 80 bibliotecários de bibliotecas municipais e outras de leitura pública na assistência, embora tal peso não se reflectisse na quantidade de comunicações deste sector apresentadas. Lendo atentamente e concordando com muito do que dizem, permitam-me uma outra proposta: para termos espaços de debate mais úteis e produtivos, provavelmente tem de haver formatos distintos para a divulgação de trabalhos de investigação (ou de actividades consideradas relevantes pelas instituições)e para a participação na discussão de temas e perguntas verdadeiramente pertinentes e inquietantes. Neste último caso, a atitude a promover nao é realmente a de esperar ouvir respostas, mas a de se dispôe a contribuir para as questões e as reflexões. Correndo o risco, inclusivé, de não acertar.
    Já agora, e como sempre participei nestes congressos a custas próprias,valorizo iniciativas que a BAD possa ter fora dos Congressos, como a da criação de sistemas de bolsas ou créditos bonificados para os associados, para permitir alguma liberdade individual de cada profissional na sua actuação, sem depender de factores institucionais (quem o autoriza/impede de participar, ou obriga a abordar este ou aquele tema? Nem todos são Directores dos seus Serviços, ou Empresas, e bem se sentiu isso na forma como a meio do Congresso cada um reagia a um dos temas do “congresso oculto” – o PRACE – rivalizando com outros honrosos clandestinos, como o software livre, a iliteracia, o emprego precário ou sem direitos,o “gap” geracional. Parabéns pelo blog e pela persisitência.

Comentar


XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Login with Facebook:
Página 1 de 11
 

Bad Behavior has blocked 658 access attempts in the last 7 days.